quarta-feira, 1 de março de 2017

Óscares - Sumário Pessoal

Após a cerimónia e já com os parabéns entregues aos vencedores, venho fazer o meu balanço dos filmes que vi e que estavam nomeados aos Óscares.
Não vi todos - apenas 6 - e aqui vão eles:


Poderão dizer que a Natalie Portman esteve irrepreensível. Eu também poderei dizer o mesmo. Mas o ritmo e cadência do filme e até o que deixaram subentender da relação dela com Jack não se coaduna com o que já vi e li acerca deles. Todo o ar de que eles eram muito unidos enquanto casal, que o filme deu a entender, não existia. Além de que os episódios e a própria estrutura do filme aborreceram-me de tal modo, que nem acabei de ver. Palmas para o guarda-roupa e para o trabalho de transfiguração da Natalie que, isso sim, é de louvar.


Este foi o único que fui ver ao cinema. Fiquei agradada com a estética do filme, aquele old time feel dos musicais dos anos 40 - até o guarda-roupa foi pensado nesse sentido. Mas dizer que alguma parte do filme, tirando a fotografia e canção, foram tão excepcionais que mereceram a chuva de nomeações e consequentes Óscares, não vi nada digno disso. Vi um filme a tempos leve, a tempos que me fez pensar, mas o sentimento que ficou foi de que não passou de um bom entretenimento e que o final poderá ficar na memória pela espetacularidade, mas não mais que isso.





Foi o primeiro que vi e fiquei bem surpreendida por ter sido apenas nomeado em 2 categorias, uma delas de menor relevância. Este filme é totalmente visual, lindo ao nível da fotografia, interpretações, argumento, guarda-roupa. Foi completamente ignorado pela Academia, a par com o Silêncio e o Birth of a Nation.


Mereceu todas as nomeações e mais que houvessem. Filme lindo, sentido - tal como o são todos os filmes baseados em peças de teatro. Filme assente apenas em excelentes interpretações e gostei imenso que a Viola Davis tivesse ganho, pois se o Denzel foi um protagonista excelente, ela não se ficou nada atrás, partilhando de igual modo o peso e ritmo do filme. Diálogos bem cadenciados, emoções á flor da pele. Há muito tempo que não assistia a um filme deste nível.


Uma historia real sobre as 3 primeiras engenheiras afro-americanas da NASA. Uma história desconhecida para mim e para a maioria dos espectadores e que contou com uma interpretação da Taraji P. Henson que merecia uma nomeação. No seu todo, o filme não conta nada de novo, é uma história de superação de obstáculos por parte de 3 mulheres negras nos anos 60, ainda com a segregação racial muito arreigada. Vale sempre pela inspiração e pela mensagem de que todos somos iguais.


Foi o último filme que vi, precisamente no domingo, antes da cerimónia. Fiquei fã de Mel Gibson como realizador. E fiquei fã do Andrew Garfield pela sua interpretação e entrega brilhantes. Faço menção honrosa ao Vince Vaughn, por um papel que sai fora da sua zona habitual e que não se saiu nada mal.  Mais uma história real, de uma pessoa que poucos americanos devem conhecer e que, á revelia das imposições que lhe fizeram, conseguiu fazer valer as suas convicções e ainda ser reconhecido por tal. Tudo isto foi feito a um preço alto, mas quem acredita, não vacila. Um filme com um bom visual, bons efeitos especiais e muito bem interpretado.

Kisses da vossa Geek

14 comentários:

  1. Destes, apenas vi Hacksaw Ridge, e tenho de admitir que me surpreendeu pela positiva! Gostava também muito de ver La La Land, tendo em conta as críticas que tem tido!

    Gostei também bastante do seu blogue e pode agora contar com mais uma leitora fiel! 😊 Convido-a a visitar também o meu blogue!

    Beijinhos,
    Carolina - leiturasdacarolina.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Carolina e obrigada pela visita e pelos elogios! É sempre bom receber estes miminhos.
      Vale a pena ver o La La Land no cinema pois o impacto é maior, penso eu. Foi feito para sala de cinema. Além de ser um filme que nos põe bem.
      O Hacksaw Ridge foi também uma surpresa boa que não contava. Já fiquei fã do Andrew Garfield.
      Certamente que irei ao aeu blogue dar uma espreitadinha.
      Beijinhos

      Eliminar
  2. O meu favorito foi o "Hacksaw Ridge" e o "Fences", em registos completamente diferentes.
    "Jackie",também me desiludiu...a estética do "Nocturnal Animals", como não podia deixar de ser, é espectacular!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim - totalmente diferentes. Mas o nivel do Fences deixou-me extasiada.
      A Jackie não foi bem conduzida e o Nocturnal Animals...bem que filme lindo. Uma pena mesmo...

      Eliminar
  3. Ainda não vi nenhum mas tenho curiosidade em todos menos no La La Land!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, musicais não agradam a toda a gente. Eu adoro os musicais dos anos 40 e fiquei com a mesma sensação, menos no final - aí foi diferente.
      Começa pelo Hacksaw Ridge e depois Fences.

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Eu gostei da interpretação dela mas os episódios de vida escolhidos e o tom geral do filme não me disseram nada. Em termos de interpretação impecável.

      Eliminar
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  6. Concordo contigo em relação a todos! :)
    Outros filmes realizados por Mel Gibson...sugiro o Braveheart e o Apocalypto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem, enganei-me na conta mas sabes que sou eu ;) Catarina R.

      Eliminar
    2. Sim eu sei que és tu Catarina 😉
      Eu a-do-to o Braveheart - apesar de uma amiga minha se desunhar com as incongruências historicas, mas eu adoro! Então falta-me ver o Apocalypto. E irei ver brevemente.
      Sim, temos as mesmas opiniões ácerca dos filmes - no live fartei-me de opiniar hehehe

      Eliminar
  7. Eu adorei o La La Land! E um verdadeiro musical,desde a abertura ate ao final! Grande filme!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também adorei o La La Land exatamente por ser um musical " à séria".

      Eliminar