quarta-feira, 15 de março de 2017

Vamos Geekar com Séries #5

Séries passadas em Grandes Armazéns


Meus geeks, qual a mulher que não gosta de uma boa ida ás compras? Até a mais distraída ou menos consumista gosta. E o que pode de haver melhor do que uma department store, ou seja, um enorme espaço comercial com stands de várias marcas, tudo num ambiente (quase) familiar?


Estas séries começaram sensivelmente ao mesmo tempo e embora um delas tenha sido cancelada, porque perdeu audiências, merece uma menção, pois para mim, apesar de focarem o mesmo mundo, isso era feito em épocas distintas.


THE PARADISE


Estreada em Setembro de 2012, esta é uma produção BBC, baseada no livro de Émile Zola Au Bonheur des Dames e foca-se nos primórdios deste tipo de comércio. Começa da época vitoriana, e embora não sendo apontada uma data - pois esta é uma história ficcionada - diria que seria entre 1870-1880.
Tudo começa com a chegada de Denise a Newcastle, vinda da província, como tantas raparigas vinham, em busca de melhor vida, para assumir um lugar de vendedora na primeira loja deste género, no país.
Foi um conceito inovador posto em prática pelo seu patrão Moray, com a ajuda financeira do seu futuro sogro, grande bancário da zona.  Moray está noivo de Katherine Glendenning, menina rica, mimada e muito, mas muito ciumenta.
Denise personifica a nova mulher que está a nascer: trabalhadora com direitos, independente, sem medo de ficar para trás sem casar. Aliás, tal como as outras funcionárias da loja, todas são solteiras, embora umas mais românticas, como a  Pauline ou outras com um passado tortuoso como Clara, que lhe faz a vida negra.
É claro que Moray e Denise se apaixonam e vai haver um tanto de confusões, traições, enganos e também vitórias. Tem interpretações fantásticas e aquela "qualidade BBC" que tanto aprecio. Os cenários são fantásticos, os diálogos bem construídos.
A série, apesar de ter apenas 2 temporadas, acaba sem pontas soltas, talvez porque já soubessem que não iria haver uma 3a temporada.


MR. SELFRIDGE


Esta série, que começou em Janeiro de 2013 foi a razão apontada para que a série The Paradise tivesse sido cancelada.
Retrata a história verdadeira de uma pessoa real - Henry Gordon Selfridge, magnata americano, que estabeleceu em Londres, no ano de 1909 o famoso Selfridge´s, primeira loja neste conceito de department store. O Selfridge´s é conhecido por ter mercadoria de 1ª qualidade, as melhores marcas de gama alta e os produtos mais exóticos - "Bring the World to Selfridge´s" tal como diz na série - desde a sua fundação que é assim.
Harry nasceu no Wisconsin, com uma vida difícil, que mais tarde conseguiu transformar em grandiosidade, riqueza e alguma excentricidade. Ele é o empreendedor americano por excelência: arrogante, gosta de correr riscos, eternamente optimista.
Esta série foi baseada numa biografia, e na série apenas é retratado o período a partir do qual ele funda a loja.
Todas as desconfianças da sociedade inglesa para com estrangeiros, e, mais concretamente - estrangeiros endinheirados e de sucesso - todo o ostracismo  a que ele, de inicio, é sujeito, as rasteiras que lhe pregam, tudo isto é retratado com veracidade, integridade, e de uma forma muito vívida e cheia de ritmo e acção. Não há momentos mortos ao pé de Harry Selfridge, porque ele é o homem dos sete-ofícios em que está sempre a pensar na próxima inovação, para estar sempre um passo à frente da sua concorrência.
Jeremy Piven tem aqui o papel da sua vida, junto com um cast tanto inglês como americano de excelência, onde tudo está como deve estar - cenários, diálogo, atitudes, guarda-roupa e caracterização deslumbrantes que retratam, à medida que os anos passam na série - começamos em pouco mais que 1900 e terminamos já nos anos 20 - a evolução da moda e costumes.
A minha personagem preferida além do Henry será a Lady Mae, interpretada por Katherine Kelly, uma actriz inglesa que fazia maioritariamente novelas (Eastenders) e que, não sabendo se é personagem fictícia ou real, me parece o protótipo da "nova mulher": independente, inteligente, influente, que segue os seus próprios ditames e não se verga a ninguém. Ela gosta de conforto e luxo, mas confrontada com uma situação de violência doméstica, não pactua com a situação e liberta-se.
Também são focados  os traumas de guerra, a I Guerra Mundial em si, o vazio deixado pelos homens ao irem para a frente de batalha, as mulheres a terem que assegurar os trabalhos dantes feitos por homens, a volta dos homens e a sua reintegração na sociedade, a instrução das mulheres, o terem uma carreira....e muitos outros.


E vocês - já viram alguma? Têm curiosidade em ver? Digam-me tudo!


Kisses da vossa Geek

Sem comentários:

Enviar um comentário