domingo, 26 de março de 2017

Projeto Historiquices - Abril

Lucrécia Bórgia

Este mês pegamos numa figura que tem tanto de emblemática, como de sinónimo de perfídia feminina.

Lucrécia nasceu da relação ilícita de seu pai, na altura cardeal, Rodrigo Bórgia, e da sua amante de longa data Vanozza Catanei, embora tivesse várias em simultâneo.
Rodrigo Bórgia tornou-se Papa, adotando o nome de Alexandre VI e, desde aí, procurou para sua filha - e, consequentemente, para si - um casamento e uma aliança frutíferas. Ela foi casada aos 13 anos de idade com Giovanni Sforza, uma das grandes famílias de Itália, mas devido á sua tenra idade, o casamento não foi consumado.
Quando a aliança com os Sforza deixou de ter sentido para Alexandre VI, ele ordenou ao seu filho Cesare, que foi para o sacerdócio obrigado, pois ele era mais soldado que padre, que livrasse a sua irmã desse "inconveniente", pois ele já tinha outro marido em vista para ela.
Como Giovani Sforza e Afonso Biscegli, o segundo marido de Lucrécia tiveram umas mortes prematuras e suspeitas, toda a Roma falava de envenenamento, incesto fraterno e paterno, orgias e deboche. O nome de Lucrécia sempre ficou associado a tudo isso.

A verdade: sim, o irmão Cesare matou-os a mando de seu pai, tudo para o engrandecimento da família. Lucrécia sempre foi apenas e só, um peão - bem alimentado, vestido e calçado, mas nada mais que isso, que eles dispunham a seu belo prazer, como lhes era mais vantajoso. Não me parece que nada do que lhe era imputado de mais escandaloso fosse verdade.
Lucrécia revelou ser uma dama da Renascença de pleno direito, pois com o seu terceiro casamento, foi reconhecida como culta, educada, gentil, uma benemérita reconhecida, mãe incansável para os seus filhos e inclusivamente teve a regência do ducado de Ferrara, durante as ausências de seu marido Afonso D´Este. 
Lucrécia fez do ducado de Ferrara um sítio de congregação de escritores, pintores, poetas, um sitio onde a cultura renascentista fervilhava em todo o seu esplendor.
Morreu após dar á luz o seu oitavo filho, mas deixou para trás um legado de escândalos e maledicência que perdurou estes séculos todos.

Será esta a figura grandiosa sobre a qual nos vamos debruçar no mês de Abril, e, como é costume, segue-se um lista de sugestões para quem quiser acompanhar-me.

Livros














Filmes

Bórgia - um filme espanhol que retrata toda a família

Séries

Os Bórgias - com o Jeremy Irons

Borgia Fé e Medo - uma série de 2011, sem o aparato da anterior

Kisses da vossa Geek



quarta-feira, 22 de março de 2017

Opinião

A Linguagem Secreta das Flores

Advertência:
Se pensam que este é um livro light e fofinho tal como o título e capa sugerem - desenganem-se. Este é um livro de emoções fortes e de sentimentos profundos.

Victoria Jones teve uma infância que ninguém deseja - penso até que seja o terror de qualquer pessoa: ela foi abandonada em bebé e levou toda a sua vida, até aos 18 anos de idade, a ser colocada em casas de acolhimento e em possíveis pais adoptivos, que nunca se traduziram em alguém que lhe quisesse mesmo dar um lar e uma família.
Com 18 anos, o estado americano declina mais responsabilidades. É altura de as crianças ditas "no sistema" se fazerem à vida e tentarem sobreviver, com o pouco que lhes foi incutido nestes anos todos de rejeição, em famílias absolutamente desestruturadas. 
Victoria é uma dessas adolescentes que, não tendo praticamente nenhum ensino formal, quanto mais uma profissão, são postas em halfway-houses até que consigam se sustentar por si próprias. Ela adora flores, sempre foram a sua paixão, mas ela aprendeu mais a sério o significado escondido de cada flor com a sua mãe de acolhimento mais significativa, Elizabeth, a que esteve quase a adoptá-la.
Victoria não gosta de comunicar com palavras, por isso aprender a linguagem secreta das flores, uma arte da época vitoriana, foi o modo de se começar a relacionar com o mundo exterior e de passar mensagens ás outras pessoas, sem efectivamente dizer nada. Pois ela não tem vontade de ter qualquer contacto, intimo ou de amizade, com quem quer que seja.

Renata é a dona de uma florista que decide contratar Victoria pela extrema habilidade que ela denota com as flores e com a sensibilidade que ela mostra, ao conseguir "emparelhar" clientes e arranjos florais. Ela passa a ter clientes só mesmo dela, que a procuram para que possa traduzir num ramo de flores, as mensagens ou os anseios que não conseguem expressar. Ela tem sucesso e gosta do que faz, pois parece mesmo talhado para ela. Mas uma série de coincidências e de encontros inesperados vão dar uma reviravolta completa na sua vida e ela vai, mais do que nunca, necessitar da calma que encontra nas suas adoradas flores, que nunca lhe mentiram nem nunca lhe exigiram mais do que ela estaria disposta a dar.

Este será o ponto de partida para uma história que tem tanto de inocente como de profundamente emocional. Eu, que não sou de chorar com livros, chorei abertamente com este, pois sem ser lamechas - que não é - conta a história de alguém tão traumatizado com a solidão e rejeição, que pensa que ela própria é indigna de amor e de proximidade, que irá sempre fazer toda a gente infeliz. Também emocionei-me pelo facto de ela apenas se conseguir relacionar com os outros a coberto das flores, e não por ela própria - não imagino como será estar fechada em si mesma de tal modo que só encontra esta maneira de se expressar.

Confesso que peguei neste livro com receios de ser demasiado "romance de cordel", mas fiquei extasiada com a qualidade da escrita e do enredo, que se passa em duas épocas distintas, mas bem demarcadas, com capítulos separados e curtos.

E vocês, já leram? Têm curiosidade? Contem-me tudo.

Kisses da vossa Geek

domingo, 19 de março de 2017

Vamos falar de ....

Audiobooks

Recentemente comecei a ouvir audiobooks.

Um deles já aqui tem opinião - Um Homem Chamado Öve - mas quero deixar aqui a opinião dos 2 mais recentes - na verdade acabei-os esta semana. Um deles ainda não foi traduzido e o outro foi, mas com sucesso bastante modesto.

Behind Closed Doors

Um thriller psicológico muito bem contruído, em redor da noção bem portuguesa de "entre marido e mulher, ninguém mete a colher". Grace tem um casamento feliz, uma casa fantástica e um marido perfeito. Mas será tanto assim? O que se passa entre 4 paredes?
O bom deste livro é ir sem saber grande coisa, pois o enredo está escrito de tal modo que vão-nos sendo deixadas pistas, mas enquanto não se tiver uma visão mais geral de toda a situação, não nos apercebemos que elas lá estão.
A tensão, o medo e a estupefação fizeram com que eu progredisse no livro, sempre em busca de explicações. Porque há situações que nunca pensamos que podem acontecer, mas elas foram descritas neste livro de modo verosímil,  e, o que é mais assustador - podem bem ser reais.
A narradora faz todas as vozes e tem uma entoação perfeitamente british, mas com ritmo, cadência e sentimento - fez-me sentir tudo o que se passava com a Grace.
O final, embora previsível, teve um desfecho inesperado, e, por isso congratulo a autora e lanço um apelo ás editoras portuguesas: o que é que estão á espera de editarem cá esta autora, que tem pelo menos mais um livro escrito?


Indecoroso (Unmentionable)

O subtítulo deste livro diz tudo: o guia para a dama vitoriana sobre sexo, casamento e conduta.
Este é um livro de não-ficção, sobre todos os aspetos que envolvem uma dama vitoriana, desde a sua roupa interior sem entrepernas - é o começo do livro - até à histeria, doença muito em voga entre as damas vitorianas de riqueza.
Este é o tipo de não-ficção que gosto - á parte de biografias - em que são focados aspetos específicos ao estilo "época vitoriana para totós".
O livro está estruturado como uma viagem no tempo. A autora começa por dizer que nós (leitoras) romantizamos demasiado a época, muito por culpa de filmes e livros, que não nos mostram toda a horrível verdade - que, quando vemos Orgulho e Preconceito, não vemos as ruas de Meryton como elas deveriam ser na altura: com excrementos de cavalo até aos tornozelos de quem se aventurasse a andar por ali.
Portanto, ela propõe uma viagem no tempo, e, em tom professoral e meio sarcástico, vai-nos guiando pelos diversos aspetos que compunham o dia-a-dia de uma mulher, em qualquer estrato social, na época vitoriana. Ela vai-nos dar conta de pormenores que nem aparecem em correspondência da época, por serem tão intrínsecos e normais, tal como nós hoje não nos referimos ao facto de tomarmos banho todos os dias, porque isso será um dado adquirido.
A narradora pôs-me a rir em voz alta por diversas vezes, tal o seu tom entre o jocoso e o condoído, pela nossa ineptitão ao navegar no século XIX.

E vocês - já leram? Têm curiosidade?

Kisses da vossa Geek

quarta-feira, 15 de março de 2017

Vamos Geekar com Séries #5

Séries passadas em Grandes Armazéns


Meus geeks, qual a mulher que não gosta de uma boa ida ás compras? Até a mais distraída ou menos consumista gosta. E o que pode de haver melhor do que uma department store, ou seja, um enorme espaço comercial com stands de várias marcas, tudo num ambiente (quase) familiar?


Estas séries começaram sensivelmente ao mesmo tempo e embora um delas tenha sido cancelada, porque perdeu audiências, merece uma menção, pois para mim, apesar de focarem o mesmo mundo, isso era feito em épocas distintas.


THE PARADISE


Estreada em Setembro de 2012, esta é uma produção BBC, baseada no livro de Émile Zola Au Bonheur des Dames e foca-se nos primórdios deste tipo de comércio. Começa da época vitoriana, e embora não sendo apontada uma data - pois esta é uma história ficcionada - diria que seria entre 1870-1880.
Tudo começa com a chegada de Denise a Newcastle, vinda da província, como tantas raparigas vinham, em busca de melhor vida, para assumir um lugar de vendedora na primeira loja deste género, no país.
Foi um conceito inovador posto em prática pelo seu patrão Moray, com a ajuda financeira do seu futuro sogro, grande bancário da zona.  Moray está noivo de Katherine Glendenning, menina rica, mimada e muito, mas muito ciumenta.
Denise personifica a nova mulher que está a nascer: trabalhadora com direitos, independente, sem medo de ficar para trás sem casar. Aliás, tal como as outras funcionárias da loja, todas são solteiras, embora umas mais românticas, como a  Pauline ou outras com um passado tortuoso como Clara, que lhe faz a vida negra.
É claro que Moray e Denise se apaixonam e vai haver um tanto de confusões, traições, enganos e também vitórias. Tem interpretações fantásticas e aquela "qualidade BBC" que tanto aprecio. Os cenários são fantásticos, os diálogos bem construídos.
A série, apesar de ter apenas 2 temporadas, acaba sem pontas soltas, talvez porque já soubessem que não iria haver uma 3a temporada.


MR. SELFRIDGE


Esta série, que começou em Janeiro de 2013 foi a razão apontada para que a série The Paradise tivesse sido cancelada.
Retrata a história verdadeira de uma pessoa real - Henry Gordon Selfridge, magnata americano, que estabeleceu em Londres, no ano de 1909 o famoso Selfridge´s, primeira loja neste conceito de department store. O Selfridge´s é conhecido por ter mercadoria de 1ª qualidade, as melhores marcas de gama alta e os produtos mais exóticos - "Bring the World to Selfridge´s" tal como diz na série - desde a sua fundação que é assim.
Harry nasceu no Wisconsin, com uma vida difícil, que mais tarde conseguiu transformar em grandiosidade, riqueza e alguma excentricidade. Ele é o empreendedor americano por excelência: arrogante, gosta de correr riscos, eternamente optimista.
Esta série foi baseada numa biografia, e na série apenas é retratado o período a partir do qual ele funda a loja.
Todas as desconfianças da sociedade inglesa para com estrangeiros, e, mais concretamente - estrangeiros endinheirados e de sucesso - todo o ostracismo  a que ele, de inicio, é sujeito, as rasteiras que lhe pregam, tudo isto é retratado com veracidade, integridade, e de uma forma muito vívida e cheia de ritmo e acção. Não há momentos mortos ao pé de Harry Selfridge, porque ele é o homem dos sete-ofícios em que está sempre a pensar na próxima inovação, para estar sempre um passo à frente da sua concorrência.
Jeremy Piven tem aqui o papel da sua vida, junto com um cast tanto inglês como americano de excelência, onde tudo está como deve estar - cenários, diálogo, atitudes, guarda-roupa e caracterização deslumbrantes que retratam, à medida que os anos passam na série - começamos em pouco mais que 1900 e terminamos já nos anos 20 - a evolução da moda e costumes.
A minha personagem preferida além do Henry será a Lady Mae, interpretada por Katherine Kelly, uma actriz inglesa que fazia maioritariamente novelas (Eastenders) e que, não sabendo se é personagem fictícia ou real, me parece o protótipo da "nova mulher": independente, inteligente, influente, que segue os seus próprios ditames e não se verga a ninguém. Ela gosta de conforto e luxo, mas confrontada com uma situação de violência doméstica, não pactua com a situação e liberta-se.
Também são focados  os traumas de guerra, a I Guerra Mundial em si, o vazio deixado pelos homens ao irem para a frente de batalha, as mulheres a terem que assegurar os trabalhos dantes feitos por homens, a volta dos homens e a sua reintegração na sociedade, a instrução das mulheres, o terem uma carreira....e muitos outros.


E vocês - já viram alguma? Têm curiosidade em ver? Digam-me tudo!


Kisses da vossa Geek

domingo, 12 de março de 2017

Filmes feitos a partir de peças de teatro


A propósito de Fences, lembrei-me de fazer uma listinha dos filmes que já vi e que foram adaptados de peças de teatro.


Não consigo fazer um top, pois não vi muitos e todos os que vi, gostei de igual forma. São sempre filmes intensos, de grande carga dramática e que, para quem gosta de filmes "mexidos" isto certamente é o completo oposto, pois vive muito das interpretações dos atores, normalmente belíssimas e pela pouca variedade de cenários onde decorre a ação.


GATA EM TELHADO DE ZINCO QUENTE ( CAT ON A HOT TIN ROOF)



Filme com argumento a partir a peça homónima de Tenessee Williams, é um filme que assenta na derrocada de um casamento e de todos os sentimentos maus que advêm de, ao mesmo tempo que se odeiam, eles adoram-se. Maggie, a "gata", interpretada magistralmente por Elizabeth Taylor e Brick, interpretado por "Blue Eyes" Paul Newman, são um casal à beira da ruptura, devido ao problema de alcoolismo de Brick e a briga estala quando eles vão de visita, para celebrarem o aniversário do pai de Brick, Big Daddy, que lhes exige um neto, tal como o irmão de Brick, Gooper, já lhe deu imensos. Então, as frustrações vão todas voar entre Maggie e Brick: diálogos bem construídos e dramas reais.




UM ELÉTRICO CHAMADO DESEJO ( A STREETCAR NAMED DESIRE)



Um filme a contar com Vivien Leigh como Blanche Dubois, mais uma southern belle, desta vez já passada dos anos, mas que ainda acredita que retém exatamente o mesmo charme. Ela vai passar uns tempos em casa da irmã, que está grávida, por causa de ter sido expulsa da sua cidade natal, por ter seduzido um rapaz de 17 anos, e, depara-se com um cunhado completamente bruto, interpretado por Marlon Brando. Mais uma vez, ela não resiste e tenta seduzir todos á sua volta, inclusive Stanley Kowalsky. Mais um grande filme e peça de teatro de Tenessee Williams. É famosa a frase que resume toda a vida e lema de Blanche Dubois "I have always depended on the kindness of strangers."



UM LEÃO NO INVERNO (LION IN WNTER)



Esta peça, por James Goldman tem 2 adaptações: uma de 1968, com Peter O´Toole como Henrique II de Inglaterra, Katharine Hepburn como Leonor de Aquitânia, sua esposa e rainha, Anthony Hopkins, uma absoluta estreia em cinema, como Ricardo Coração de Leão, filho mais velho e herdeiro e Timothy Dalton como Rei Phillippe de França.
Eu vi uma versão em telefilme de 2003, com Patrick Stewart como Henrique II, Glen Close como Leonor e Jonathan Rhys-Myers como Rei de França.


Numa altura em que Henrique tem a sua esposa Leonor de Aquitânia presa no castelo de Chignon, por já ter tentado usurpar o seu trono, enquanto ele foi em Cruzada á Terra Santa, e, pressentindo a sua morte iminente,  Henrique decide fazer uma reunião familiar em Inglaterra, com o propósito de nomear um herdeiro ao trono, entre os seus filhos. Mas como sempre, as faíscas verbais andam no ar e é delicioso vê-los numa cena em particular, onde eles vão receber o rei Francês, e, estando ao pé de vários dignitários, degladiam-se verbalmente, mas com um sorriso nos lábios, para que nada transpareça para ninguém. Magistral!


CASABLANCA


Um dos filmes que teve o mais baixo orçamento e que estreou modestamente. Foi ganhando fama ao longo dos anos. Narra uma história de II Guerra Mundial, em que Rick Blaine, um americano com um bar muito bem frequentado em Marrocos, numa altura em que a cidade se encontrava sob o controlo do governo de Vichy - portanto, francesa -  e do seu dilema em ajudar ou não o amor da sua vida, Ilsa Lund, a escapar com o seu marido, herói da resistência francesa, para Lisboa. Era uma rota bem conhecida da altura, pois como o porto e aeroporto de Lisboa continuaram mais ou menos neutrais, quem queria escapar dos países ocupados, tentava fazê-lo através do nosso país. Grandes interpretações de Humphrey Bogart e de Ingrid Bergman e uma lição de História muito bem dada, além de nos terem dados duas das mais famosas frases cinematográficas-" Play it again, Sam." e " We will always have Paris.


CLOSER


Um drama de 4 pessoas, interligadas entre si por laços que se vão contruindo e destruindo, ao sabor das paixões e dos ódios do momento. Uma americana chega em Londres e é atropelada. Um inglês vai em seu auxílio. Uma fotógrafa é confundida com uma outra pessoa e conhece o seu futuro marido. Um filme que, ao fim e ao cabo, retrata relações, complicada como só o amor e emoções podem ser. Tem como actores Julia Roberts, Jude Law, Nathalie Portman e Clive Owen.


E vocês - já viram algum? O que acham deste tipo de filmes?


Kisses da vossa Geek

quarta-feira, 8 de março de 2017

Opinião

No seu Mundo


Li este livro em conjunto com a Dora e a Isaura, numa leitura que muito nos satisfez.

Jacob Hunter é um adolescente de 18 anos com Síndrome de Asperger, ou numa classificação mais recente, com perturbação do espectro do autismo. Ele tem toda a sua vida planeada desde o momento em que se levanta até ao momento em que se deita. Para quem não está familiarizado com esta problemática, as rotinas são o que dão segurança a pessoas portadoras deste distúrbio.
Uma das muitas terapias que ele tem consiste em lhe ensinarem a interagir socialmente, ensinando-lhe aquilo que ele não tem naturalmente: capacidade de perceber as nuances de linguagem, os duplos sentidos do discurso que todos nós utilizamos.
A terapeuta encarregada disso é Jessica, que ainda é uma estudante universitária, mas que pretende vir a trabalhar com crianças e jovens com a mesma perturbação que Jacob e aproveitou para ganhar experiência e algum dinheiro, além de o trabalho qu ela desenvolve com o Jacob ir ser o tema da sua tese de final de curso.
O problema chega quando ela aparece morta.
De um crime quase insolúvel, levantam-se suspeitas de que Jacob, num dos seus acessos em que perde o controlo, a possa ter morto. As evidências são circunstanciais, mas como ele é portador deste síndrome e o mesmo confere algumas características especiais tais como falta de empatia, falta de contacto visual e algumas obsessões estranhas garantem-lhe um lugar no rol de suspeitos e até - ser o único suspeito. A sua mãe, que sempre o acompanhou desde que o pai saiu de casa por não conseguir lidar com esta particularidade do filho, acredita na inocência dele, mas ao mesmo tempo, como fazer a sociedade perceber que pelo facto de o seu filho se comportar de modo um pouco diferente, não quer dizer que tenha morto a sua terapeuta, pela qual aliás ele nutria um forte sentimento de amizade.
E o livro parte daqui.

Foi a minha estreia com esta autora e com um assunto que me diz tanto a nível pessoal.
Tudo o que li - embora um pouco datado, pois nos anos recentes o termo Síndrome de Asperger deixou de ser utilizado - está muito bem pesquisado e foi tratado com respeito por todos os portadores de tal distúrbio. Vê-se que houve um bom trabalho de pesquisa e de fala com vários pacientes deste espectro, o que deu para ter uma visão global quer do que é ser autista e do que é ser mãe ou irmão de um autista. São experiências de grande impacto a todos os níveis, quer familiar, quer social, quer escolar.
Todas as dificuldades da mãe do Jacob, eu senti-as como minhas. Todas as dificuldades do Jacob eu consegui entender. Gostei imenso do trabalho feito.
Aqui o que se põe em causa e em estudo é: numa altura em que cada vez mais este tipo de perturbações aparecem, como é que a sociedade e mais concretamente o sistema judicial se deve comportar com estas pessoas? Será que está apto a aplicar justiça mas ao mesmo tempo respeitando as diferenças inerentes? É que uma pessoa com Asperger não faz contacto visual com os outros, mas não quer dizer que seja culpado. Pode não responder de forma abrangente a uma pergunta e ter que ser contextualizado - para se ter uma resposta perceptível é necessário jogar ás 20 perguntas, porque eles são verdadeiros, mas são literais e só respondem ao cerne da pergunta - não elaboram.
Do que vi aqui, o sistema judicial americano - ou para um caso específico, o português - não estão preparados para julgar alguém com estas particularidades. No livro vi falta de respeito, ignorância e até um certo atropelar de direitos humanos com base na premissa de que "ele estaria a fingir".
E isso é algo que as instâncias superiores judiciais se devem debruçar, para que não haja inocentes condenados, simplesmente porque não se comportam como 99,9% do resto da população. 

Fiquei extremamente agradada com a autora e irei ler mais dela nos próximos meses.

Kisses da vossa Geek

quarta-feira, 1 de março de 2017

Óscares - Sumário Pessoal

Após a cerimónia e já com os parabéns entregues aos vencedores, venho fazer o meu balanço dos filmes que vi e que estavam nomeados aos Óscares.
Não vi todos - apenas 6 - e aqui vão eles:


Poderão dizer que a Natalie Portman esteve irrepreensível. Eu também poderei dizer o mesmo. Mas o ritmo e cadência do filme e até o que deixaram subentender da relação dela com Jack não se coaduna com o que já vi e li acerca deles. Todo o ar de que eles eram muito unidos enquanto casal, que o filme deu a entender, não existia. Além de que os episódios e a própria estrutura do filme aborreceram-me de tal modo, que nem acabei de ver. Palmas para o guarda-roupa e para o trabalho de transfiguração da Natalie que, isso sim, é de louvar.


Este foi o único que fui ver ao cinema. Fiquei agradada com a estética do filme, aquele old time feel dos musicais dos anos 40 - até o guarda-roupa foi pensado nesse sentido. Mas dizer que alguma parte do filme, tirando a fotografia e canção, foram tão excepcionais que mereceram a chuva de nomeações e consequentes Óscares, não vi nada digno disso. Vi um filme a tempos leve, a tempos que me fez pensar, mas o sentimento que ficou foi de que não passou de um bom entretenimento e que o final poderá ficar na memória pela espetacularidade, mas não mais que isso.





Foi o primeiro que vi e fiquei bem surpreendida por ter sido apenas nomeado em 2 categorias, uma delas de menor relevância. Este filme é totalmente visual, lindo ao nível da fotografia, interpretações, argumento, guarda-roupa. Foi completamente ignorado pela Academia, a par com o Silêncio e o Birth of a Nation.


Mereceu todas as nomeações e mais que houvessem. Filme lindo, sentido - tal como o são todos os filmes baseados em peças de teatro. Filme assente apenas em excelentes interpretações e gostei imenso que a Viola Davis tivesse ganho, pois se o Denzel foi um protagonista excelente, ela não se ficou nada atrás, partilhando de igual modo o peso e ritmo do filme. Diálogos bem cadenciados, emoções á flor da pele. Há muito tempo que não assistia a um filme deste nível.


Uma historia real sobre as 3 primeiras engenheiras afro-americanas da NASA. Uma história desconhecida para mim e para a maioria dos espectadores e que contou com uma interpretação da Taraji P. Henson que merecia uma nomeação. No seu todo, o filme não conta nada de novo, é uma história de superação de obstáculos por parte de 3 mulheres negras nos anos 60, ainda com a segregação racial muito arreigada. Vale sempre pela inspiração e pela mensagem de que todos somos iguais.


Foi o último filme que vi, precisamente no domingo, antes da cerimónia. Fiquei fã de Mel Gibson como realizador. E fiquei fã do Andrew Garfield pela sua interpretação e entrega brilhantes. Faço menção honrosa ao Vince Vaughn, por um papel que sai fora da sua zona habitual e que não se saiu nada mal.  Mais uma história real, de uma pessoa que poucos americanos devem conhecer e que, á revelia das imposições que lhe fizeram, conseguiu fazer valer as suas convicções e ainda ser reconhecido por tal. Tudo isto foi feito a um preço alto, mas quem acredita, não vacila. Um filme com um bom visual, bons efeitos especiais e muito bem interpretado.

Kisses da vossa Geek